Emprego das Classes de Palavras – o Guia Completo para nunca errar!

Emprego das classes de palavras

Você usa corretamente o emprego das classes de palavras? Essa é uma dificuldade comum entre candidatos a concurso público, e até das demais pessoas, em geral.

Por isso resolvi escrever mais um artigo de Português para Concurso aqui no blog, com a intenção de lhe ajudar a nunca mais errar nesse tópico.

É bom lembrar que Língua Portuguesa é uma matéria presente em praticamente todos os concursos brasileiros. E, na maioria deles, o peso dessa disciplina é superior às demais.

Então, não deixe para estudar de última hora. Essa é uma disciplina que exige conhecimento amplo, dedicação minuciosa e com bastante atenção.

Cientes disso, vamos começar a estudar o Emprego das Classes de Palavras!

O que é o Emprego das Classes de Palavras?

É bom lembrar que a Língua Portuguesa é dividida da seguinte gorma:

  • Sintaxe, que estuda a relação entre as palavras dentro das frases.
  • Fonologia, que estuda o som das palavras, suas sílabas e letras.
  • Semântica, que estuda o significado das palavras.
  • Morfologia, que estuda as classes de palavras, suas estruturas e origens.

A Morfologia estuda as palavras isoladamente, dividindo-as em classes de palavras, também conhecidas como classes gramaticais. São elas:

    1. Artigo
    2. Advérbio
    3. Adjetivo
    4. Conjunção
    5. Interjeição
    6. Numeral
    7. Pronome
    8. Preposição
    9. Substantivo
    10. Verbo

Cada uma dessas classes de palavra tem uma função específica na Língua Portuguesa. Para não errar questões no seu concurso será preciso entender as características de cada uma delas.

Fique calmo(a)! Basta ler esse artigo até o final para compreender esse assunto de uma vez por todas.

😉

Substantivo

Classes de Palavras: substantivo

O substantivo é a classe gramatical que utilizamos para dar nome aos objetos e às coisas. A própria origem da palavra “substantivo”, que vem de “substância”, se refere ao fundamento de algo.

Exemplos: livro, bicicleta, homem, cachorro, prédio, nuvem, sonho.

Se você parar um pouco para pensar, verá que existem diversas classificações possíveis para os substantivos.

Para começar, analise os substantivos “prazer” e “tesoura”. Ambos são substantivos, mas você concorda que há algo de diferente entre eles?

Para explicar essas diferenças, vamos entender um pouco as classificações dos substantivos.

Substantivos Concretos

São os substantivos que convencionalmente entendemos como substantivos. Eles possuem existência independente.

Exemplos: mesa, cadeira, flor, balde.

Os substantivos concretos são aqueles que nomeiam objetos, coisas, lugares, animais e plantas.

Substantivos Abstratos

Já os substantivos abstratos se referem a fenômenos que têm existência dependente. Ações, sentimentos, estados e qualidades são substantivos abstratos.

Exemplos: amor, prazer, ódio, beleza, beijo, amizade.

Todos esses substantivos dependem da existência de um ou mais seres para fazer sentido. Por isso não são concretos.

Substantivos Próprios

Vamos a outra classificação dos substantivos: os substantivos próprios.

São aqueles que individualizam um ou mais seres. O substantivo próprio identifica esses seres para diferenciá-los dos demais, por conta de suas características.

Assim, os nomes de pessoas e países, por exemplo, são nomes próprios.

Exemplo: João, Argentina, Bahia, Magazine Luiza.

Teríamos muita confusão se os nomes próprios não existissem. Seria difícil identificar alguém se chamássemos todos como “pessoas” ou “seres humanos”. Mais fácil identificar alguém que chame Maria Raquel da Silva Barbosa.

😉

Substantivos Comuns

Já o substantivo comum é aquele aplicado a vários objetos e coisas. Ele não cria identidades específicas nos seres que nomeia.

Exemplos: carro, motocicleta, gato, prato.

Substantivos Coletivos

Outra classificação importantíssima dos substantivos é a dos coletivos. Mesmo estando no singular, eles fazem referência a uma coleção de objetos, seres ou coisas.

Exemplos: laranjal, rebanho, cardume,  vinhedo, constelação.

Note que cada substantivo coletivo agrupa um conjunto de seres. Considerando os exemplos acima, temos:

  • Laranjal – conjunto de pés de laranja
  • Rebanho – conjunto de cabras ou ovelhas
  • Cardume – conjunto de peixes
  • Vinhedo – conjunto de videiras
  • Constelação – conjunto de estrelas

Substantivos primitivos

Essa é um tipo de classificação bem pouco cobrada em concursos públicos, mas vale a pena atentarmos para ela.

Um substantivo primitivo é aquele que não é derivado de outra palavra.

Exemplos: pedra, limão, água, flor.

Para entender melhor os substantivos primitivos, veja a seguir o que são os substantivos derivados.

Substantivos derivados

Os substantivos derivados, por óbvio, são aqueles que derivam dos substantivos primitivos. Veja os exemplos a seguir, usando os substantivos primitivos anteriores:

Exemplos: pedrada, limoeiro, aguada, floricultura.

Note que há uma diferença entre os substantivos derivados e os substantivos coletivos. Os coletivos expressão a reunião de seres iguais. Os derivados apenas se utilizam da estrutura de um substantivo primitivo.

Substantivos compostos

São aqueles que possuem mais de um radical em sua estrutura.

Exemplos: guarda-chuva, couve-flor, erva-doce, passatempo.

Perceba que não necessariamente o radical precisa estar separado por hífen (como é o caso de “passatempo”).

Substantivos simples

Já os substantivos simples são aqueles que possuem apenas um radical na sua estrutura.

Exemplos: computador, mesa, cadeira, garrafa.

***

É bom frisar que os substantivos variam em número, grau e gênero. Ou seja: podem ser encontrados no singular e no plural (número), no aumentativo e diminutivo (grau) e no masculino e feminino (gênero).

RESUMO: CLASSIFICAÇÃO DOS SUBSTANTIVOS
Concretos
Abstratos
Próprios
Comuns
Coletivos
Primitivos
Derivados
Compostos
Simples

Adjetivo

Classes de Palavras: adjetivo

No Emprego das Classes de Palavras o adjetivo é um dos mais importantes. Ele tem a função de delimitar e qualificar o significado de um substantivo.

De maneira geral, podemos dizer que os adjetivos dizem quais são as qualidades de um substantivo.

Exemplos: azul, belo, feio, romântico, bom, mau, arredondada.

Veja cada um desses adjetivos ao lado de um substantivo:

  • Carro azul
  • Homem belo
  • Sapato feio
  • Menino romântico
  • Cachorro bom
  • Gato mau
  • Bola arredondada

Fácil de entender, não é mesmo?

Locução Adjetiva

Fique muito atento à possibilidade da utilização de locuções adjetivas nas questões de concurso público. Isso porque elas são como adjetivos “disfarçados”.

As locuções adjetivas são a junção entre uma preposição e um substantivo, operando na frase como um adjetivo.

Exemplos:

  • Cachorro de rua
  • Quadro com cupim
  • Arroz de geladeira
  • Livro sem capa

“De rua”, “com cupim”, “de geladeira” e “sem capa” fazem o papel de adjetivos nesses casos. Por isso, são locuções adjetivas.

Caso você encontre uma questão com pegadinha que pergunte se “De rua” está adjetivando a palavra “Cachorro”, responda corretamente.

😉

Substantivação do Adjetivo

Outra possível confusão que pode ser feita é quando um adjetivo é substantivado. Aqui o que importa analisar é a função que a palavra está exercendo, e não necessariamente memorizar que uma palavra é ou não um adjetivo.

Veja a frase a seguir:

O fraco sempre sairá por último

Nesse caso, “fraco” não é adjetivo. A palavra não está qualificando nenhum substantivo. Ele é o próprio substantivo.

O adjetivo fraco foi substantivado!

Grau do Adjetivo

Outro tema importantíssimo quando falamos sobre os adjetivos é entender o grau de emprego deles. Como assim?

Quando falamos em graus estamos falando das relações entre as qualidades de um ou mais seres. Os graus existentes são o positivo, o comparativo e o superlativo.

Grau Positivo

É o menos conhecido, e menos cobrado em concursos. É o grau que simplesmente enuncia a qualidade de algo.

Exemplo: A mulher é linda.

Grau Comparativo

É o grau onde o adjetivo está empregado em uma comparação entre dois ou mais seres. Veja quais são as possibilidades do Grau Comparativo, e alguns exemplos:

  • Grau Comparativo de Igualdade – “A mulher é tão linda quanto o homem”.
  • Grau Comparativo de Superioridade – “A mulher é mais linda que o homem”.
  • Grau Comparativo de Inferioridade – “A mulher é menos linda que o homem”.

Grau Superlativo

O Grau Superlativo é utilizado quando se pretende dar ênfase na adjetivação. Existem duas possibilidades de emprego – o Grau Superlativo Absoluto (não faz comparações) e o Grau Superlativo Relativo (faz comparações).

  • Grau Superlativo Relativo – “A mulher é a mais linda de sua sala”
  • Grau Superlativo Absoluto – “A mulher é lindíssima!”

Importante dizer que no Grau Superlativo Absoluto existem duas possibilidades. A utilização de expressões como “muito linda” ou a utilização do adjetivo modificado, como “lindíssima”. Daí surgem mais duas classificações:

  • Grau Superlativo Absoluto Sintético – “A mulher é lindíssima!”
  • Grau Superlativo Absoluto Analítico – “A mulher é muito linda!”

Deu pra compreender?

Caso persista alguma dúvida não se acanhe em deixar um comentário. Faço questão de ajudar com as dúvidas que eventualmente surjam.

Artigo

Classes de Palavras: artigo

Entre as classes de palavras o Artigo é muitas vezes desconsiderado pelos candidatos a concurso público. Mas ele tem uma importância fundamental na construção da nossa comunicação.

O Artigo é o termo que vem antes do substantivo, esclarecendo três pontos importantíssimos sobre ele:

  • Se o substantivo é definido ou indefinido
  • Se o substantivo é masculino ou feminino
  • Se o substantivo está no singular ou no plural

Exemplos de artigos: o, a, os, as, um, uma, uns, umas.

Artigo Definido

O Artigo Definido é utilizado para apontar um ou mais seres especificamente. Veja o exemplo de quatro frases onde o Artigo Definido é utilizado:

  • A Holanda vendeu seu petróleo”
  • As gatas comeram carne”
  • O homem saiu pela porta”
  • Os garotos compraram queijo”

Como você pode ver, nesses casos há uma delimitação do substantivo em relação a seres específicos.

Artigo Indefinido

Ao contrário do Artigo Definido, o Artigo Indefinido deixa oculto a quais ou qual ser se refere. Ele generaliza o substantivo.

Veja alguns exemplos de Artigos Definidos sendo aplicados:

  • “Um suspeito passou por aqui”.
  • “Uns homens chegaram no bar”.
  • “Uma barata apareceu na sala”.
  • “Umas meninas tocaram o sino”.

Quando um artigo feminino definido (a/as) está junto com uma proposição “a”, usa-se o sinal da crase. Se você não sabe quando utilizar esse sinal, veja o artigo que escrevi sobre uso da crase.

Pronome

Classes de Palavras: pronome

Muita gente confunde bastante qual a real função do Pronome na Língua Portuguesa. Certamente é um dos temas que os candidatos a concurso público mais erram nessa parte do Emprego das Classes de Palavras.

Se é assim, nosso interesse aumenta, já que, para nós, importante é acertar nos assuntos que a maioria dos candidatos erra. Então, vamos nos aprofundar no entendimento dessa classe gramatical dos pronomes.

Primeiro, saiba que um pronome nada mais é que uma palavra que substitui ou pode substituir um substantivo.

Isso pode acontecer de diversas formas, por isso existem seis tipos de pronome:

  1. Pronome pessoal
  2. Pronome possessivo
  3. Pronome demonstrativo
  4. Pronome indefinido
  5. Pronome interrogativo
  6. Pronome relativo

Você conhece cada um desses tipos de Pronome? Chegou a hora de conhecer!

Pronome Pessoal

Pronome pessoal é aquele que substitui o nome de alguém em uma construção gramatical. Além disso, ele relaciona o nome a uma das 3 pessoas gramaticais. Veja quais são as três pessoas gramaticais:

  • Eu/nós (1ª pessoa) – a pessoa que fala.
  • Tu/vós (2ª pessoa) – a pessoa com quem falamos.
  • Ele/eles (3ª pessoa) – a pessoa de quem falamos.

O pronome pessoal pode ser de três tipos:

  1. Reto
  2. Oblíquo
  3. De tratamento

Vamos conhecer, a seguir, as características desses três tipos de pronome.

Pronome Pessoal Reto

O Pronome Reto é aquele que representa o sujeito do verbo na oração. São eles:

  • Eu
  • Tu
  • Ele
  • Nós
  • Vós
  • Eles

Veja um exemplo dos pronomes pessoais retos acompanhados dos verbos:

  • Eu compro
  • Tu compras
  • Ele compra
  • Nós compramos
  • Vós comprais
  • Eles compram

Esses são os pronomes mais comuns na utilização cotidiana do Português.

Pronome Pessoal Oblíquo

O Pronome Oblíquo é aquele que tem como função a complementação do verbo. Veja quais são os pronomes oblíquos:

  • 1ª pessoa do singular – me, mim, migo
  • 2ª pessoa do singular – te, ti, tigo
  • 3ª pessoa do singular – o, a, lhe, se, si, sigo
  • 1ª pessoa do plural – nos, nosco
  • 2ª pessoa do plural – vos, vosco
  • 3ª pessoa do plural – os, as, lhes, se, si, sigo

Agora, a aplicação de cada um desses pronomes oblíquos em orações:

  • Chamaram-me
  • Fez para mim
  • Comeu comigo
  • Amo-te
  • Levei a ti
  • Viajei contigo
  • Declaro-o inocente
  • Mando-a para casa
  • Faz-lhe esse favor
  • Diz-se que abriu o carro
  • Presenteia a si
  • Dormiu consigo
  • Compram-nos um chocolate
  • Jogam conosco
  • Dão-vos o pão
  • Saíram convosco
  • Intimam-os a vir
  • Retiram-as do recinto
  • Pedem-lhes a bola
  • Fazem-se de bobos
  • Maltratam a si mesmos
  • Meditam consigo

Pronome Pessoal de Tratamento

O Pronome de Tratamento é aquele que substitui a terceira pessoa do singular ou do plural (ele/eles).

Alguns exemplos de pronome de tratamento:

  • Você
  • Vossa Senhoria
  • Vossa Excelência
  • Vossa Majestade
  • Fulano
  • Cicrano
  • Beltrano

Os pronomes de tratamento são utilizados principalmente em referência a cargos. Enquanto “Sua Majestade” é utilizado para um rei, “Excelentíssimo” é utilizado para um Governador, por exemplo.

Pronomes Possessivos

São aqueles que trazem a ideia de posse, em referência a alguém a quem pertence algo.

Conheça os pronomes possessivos:

  • 1ª Pessoa – Meu (s) / Minha (s)
  • 2ª Pessoa – Teu (s) / Tua (s)
  • 3ª Pessoa – Seu (s) / Sua (s)
  • 1ª Pessoa – Nosso (s) / Nossa (s)
  • 2ª Pessoa – Vosso (s) / Vossa (s)
  • 3ª Pessoa – Seu (s) / Sua (s)

Muito simples de compreender, não é mesmo?

Pronome Indefinido

Os pronomes indefinidos são muito pouco estudados, e quando são cobrados nos concursos a maioria dos candidatos são induzidos ao erro.

Basicamente, podemos dizer que o Pronome Indefinido é aquele que determina o substantivo de maneira vaga. Conheça os pronomes indefinidos:

  • Algum
  • Bastante
  • Cada
  • Certo
  • Diferentes
  • Diversos
  • Mais
  • Menos
  • Muito
  • Nenhum
  • Outro
  • Pouco
  • Qualquer
  • Quanto
  • Quem quer
  • Tanto
  • Todo
  • Um
  • Vários

Tome cuidado com os pronomes indefinidos. Eles podem ser confundidos com outras classes gramaticais.

Pronome Interrogativo

Os pronomes interrogativos são os mais fáceis de compreender. São aqueles que integram orações interrogativas.

São eles:

  • Que
  • Quem
  • Qual
  • Quanto

Pronome Relativo

O pronome relativo é aquele faz referência a um termo de outra oração, que não aquela que ele fez parte.

Os pronomes relativos da Língua Portuguesa são os seguintes:

  • O qual
  • Que
  • Quem
  • Cujo

Exemplos de uso do Pronome Relativo:

  • A mulher, a qual falou comigo, chegou em casa
  • O cachorro, cuja pata foi curada, está andando

Numeral

Classes de Palavras: numeral

Agora vamos aprender sobre os numerais, que são as palavras que tem função quantificadora definida em uma oração.

Enquanto o artigo indefinido “um” fala genericamente de uma quantidade possível de seres, o numeral “um” quantifica exatamente.

Veja um exemplo de aplicação do numeral “um”:

  • Eu só comprei uma cama

Uma dica para verificar se o “um” encontrado em uma oração é numeral ou outra classe de palavra é substituí-lo por outro numeral e verificar se faz sentido. No nosso exemplo, faria sentido:

  • Eu só comprei duas camas

Logo, trata-se de um numeral.

Numeral Ordinal

Os numerais ordinais são aqueles que expressam ideia de ordem numa série.

Exemplos: primeiro, segundo, terceiro, quarto etc.

Numeral Cardinal

São aqueles que simplesmente expressam quantidade.

Exemplos: um, dois, três, mil, um milhão, três bilhões etc.

Numeral Multiplicativo

Nesse caso, estamos falando de numerais que determinam o número de vezes de algo.

Exemplos: dobro, triplo, quadruplo etc.

Numeral Fracionário

Enquanto o Numeral Multiplicativo expressa multiplicação, o Numeral Fracionário expressa divisão.

Exemplos: meio, terço, doze avos, décimo etc.

Verbo

Classes de Palavras: verbo

Agora passemos para uma das mais importantes partes do Emprego das Classes de Palavras, o estudo dos verbos.

O verbo é a palavra que expressa a realização de alguma ação, ou o resultado dessa ação.

Compreender o emprego dos verbos é essencial para conseguir um bom desempenho em qualquer prova de Língua Portuguesa em concursos públicos.

Por isso, fique atento a cada detalhe desse assunto.

É possível analisar e classificar os verbos em relação a diversos aspectos. Vamos nos dedicar a cada um deles.

Predicação do Verbo

O verbo também é chamado de predicado, já que atribui uma ação a uma coisa ou a uma pessoa. Essa predicação pode ser incompleta ou completa.

Verbo Intransitivo

O Verbo Intransitivo é aquele de predicação completa, portanto não precisa de um complemento. O verbo “chover”, é um exemplo. Veja:

  • “Ontem choveu”

A oração é compreendida sem qualquer complemento ao verbo. Não é o caso do verbo transitivo.

Verbo Transitivo

Aqui o verbo precisa de um complemento, por não ser de predicação completa. Um exemplo é o verbo “ver”. Confira:

  • Saulo viu a morena

Na oração acima, dizer apenas que “Saulo viu” ficaria incompleto. Saulo viu o quê? É preciso um complemento, nesse caso, a palavra “morena”.

É bom ressaltar que o complemento do verbo transitivo é chamado de objeto. E que os verbos transitivos podem ser considerados transitivos diretos e transitivos indiretos. Entenda:

  • Verbo Transitivo Direito é aquele que a ação passa diretamente para a pessoa ou coisa sobre que recai. Exemplo: ver, beber, derrubar.
  • Verbo Transitivo Indireto é aquele que a ação não passa diretamente para a pessoa ou coisa sobre que recai. Exemplo: gostar, obedecer.

O complemento do verbo transitivo direto é o objeto direto. O complemento do verbo transitivo indireto é o objeto indireto.

Voz do Verbo

Outro ponto importante no estudo dos verbos é analisar em que voz ele se encontra. As vozes verbais são ativa, passiva, reflexiva e neutra.

Voz Ativa

É quando a ação verbal é praticada pelo sujeito. Ele é o agente da ação verbal.

Exemplo: O rato comeu o queijo.

Voz Passiva

Na voz passiva a pessoa ou coisa a quem se atribui a ação verbal recebe a ação, em vez de praticá-la.

Exemplo: O carro foi lavado pelo menino.

Voz Reflexiva

A Voz Reflexiva pode ser entendida como a união entre a Voz Passiva e a Voz Ativa. O sujeito pratica e, simultaneamente, sofre os efeitos da ação verbal.

Exemplo: Tereza cortou-se.

Voz Neutra

É o caso em que o sujeito nem pratica nem recebe a ação verbal.

Exemplo: Maria Joaquina é linda.

Flexão do Verbo

Você já ouviu falar em conjugação verbal? A conjugação nada mais é que o conjunto de flexões de um verbo. Primeiro, vamos aprender quais são os modos verbais.

Modo Indicativo

Nesse modo, a ação expressa pelo verbo é exercida de maneira real e definida, seja numa afirmação, seja numa negação.

Exemplos: fazem, compro, mando, tenho, estais, veem.

Modo Subjuntivo

No Modo Subjuntivo o verbo precisa estar subordinado a um outro verbo para ter sentido. Entenda melhor no exemplo a seguir.

Exemplo: “Quero que estude”.

O verbo “estude”, nesse caso, está no modo subjuntivo, pois seu sentido está dependendo do verbo “quero”.

Modo Imperativo

É o modo verbal dos “mandões”, pois são utilizados para a passar a ideia de ordem.

Exemplo: “Apareça agora em minha frente”.

“Apareça” está no modo imperativo.

Formas Nominais do Verbo

Sabia que os verbos podem se tornar substantivos ou adjetivos? Eles exercem essas funções quando estão em suas formas nominais. São elas:

  • Gerúndio
  • Infinitivo
  • Particípio

Entenda cada uma dessas formas a seguir.

Gerúndio

É a forma nominal do verbo terminada em “ndo”, que indica uma ação continuada.

Exemplos: amando, vivendo, correndo, fluindo, participando.

Infinitivo

É o “nome” do verbo. Nessa forma, não há variação de modo, tempo, número ou pessoa.

Exemplos: crescer, amar, correr, partir, repor, vender.

Particípio

Já o particípio, é a forma verbal terminada em “ado/ido”.

Exemplos: comprado, vendido, amado, corrompido, mesclado, vivido, construído.

Tempo do Verbal

Já que o verbo indica a realização de uma ação, ou o resultado dela, faz muito sentido que exista variações de tempo dessas ações. Afinal, elas podem ser realizadas, ou ter resultados, no passado (ou pretérito), no presente ou no futuro.

Por isso, existem os seguintes tempos verbais:

  • Presente
  • Pretérito imperfeito
  • Pretérito perfeito
  • Pretérito mais-que-perfeito
  • Futuro
  • Futuro do presente
  • Futuro do pretérito

Por enquanto, vale a pena você saber apenas quais são os tempos. Em breve publicaremos algo mais detalhado sobre os tempos verbais aqui no Segredos de Concurso.

Verbo Auxiliar

São auxiliares os verbos que complementam o sentido de outros verbos (chamados principais). São verbos auxiliares na Língua Portuguesa:

  • Ter
  • Haver
  • Ser
  • Estar

Exemplos: “Eu tenho visto muitos pássaros”.

“Tenho”, neste caso, cumpre a função de verbo auxiliar.

Verbos Regulares

Os verbos regulares são aqueles em que o radical permanece invariável durante toda a sua conjugação. Um verbo regular não modifica sua estrutura quando é modificado nas várias pessoas.

Exemplos: louvar, vender, partir.

Veja a conjugação do verbo vender no presente do indicativo:

  • Eu parto
  • Tu partes
  • Ele parte
  • Nós partimos
  • Vós partis
  • Eles partem

Em todas as pessoas o radical “part” é mantido.

Verbo Irregular

Ao contrário do verbo regular, o verbo irregular sofre modificações em seu radical quando é conjugado.

Exemplos: perder, fazer, ferir, caber.

Veja a conjugação do verbo ferir no presente do indicativo:

  • Eu firo
  • Tu feres
  • Ele fere
  • Nós ferimos
  • Vós feris
  • Eles ferem

Perceba a mudança no radical. De “fir” para “fer”.

Verbos Anômalos

Existem dois verbos anômalos:

  • Ser
  • Ir

Enquanto os verbos irregulares sofrem mudanças no radical, os verbos anômalos simplesmente mudam de radical. Veja o verbo “ser” conjugado no presente do indicativo:

  • Eu sou
  • Tu és
  • Ele é
  • Nós somos
  • Vós sois
  • Eles são

Verbos Defectivos

Os verbos defectivos são aqueles que possuem deficiência na conjugação. Eles não possuem todas as formas verbais.

Exemplos: reaver, precaver, falir.

Como conjugar o verbo falir na primeira pessoa? Não existe!

Verbos Abundantes

São os verbos que possuem dupla forma, geralmente no particípio. Veja alguns exemplos:

  • Findado/findo
  • Limpado/limpo
  • Benzido/bento
  • Envolvido/envolto
  • Emergido/emerso
  • Frigido/frito

Advérbio

Classes de Palavras: advérbio

Vamos a mais uma classe de palavras importantíssima: o Advérbio.

O advérbios nada mais são que palavras que modificam os verbos, os adjetivos e até mesmo outros advérbios.

Existem advérbios de 7 tipos:

  1. Lugar – abaixo/acima, dentro/fora, adiante/atrás…
  2. Tempo – ainda, antes, depois, cedo, tarde, logo…
  3. Modo – ademais, depressa, só, também…
  4. Negação – não, nada…
  5. Afirmação  deveras, sim, certo, certamente…
  6. Dúvida – porventura, acaso, talvez…
  7. Intensidade – bastante, mais, menos, muito, pouco…

É bom ficar atento também às locuções adverbiais. Expressões com duas ou mais palavras que cumprem a mesma função dos advérbios, em qualquer dos 7 tipos citados.

Preposição

Classes de Palavras: preposição

As preposições são conectivos, palavras invariáveis (não têm variação de número, gênero etc) que ligam o complemento à palavra completada.

O termo que vem antes de uma preposição é chamado antecedente. O termo que vem depois é chamado consequente.

Preposições Essenciais

São aquelas que só desempenham essa função.

Exemplos: de, desde, a, até, para, por, trás, sob…

Preposições Acidentais

São palavras de outras classes que são empregadas como preposição eventualmente.

Exemplos: durante, menos, mediante, salvo, conforme…

Conjunção

Classes de Palavras: conjunção

Tal qual as preposições, as conjunções são conectivos, mas em vez de ligar palavras elas ligam orações.

Exemplos: porque, mas, nem, e, que…

Lembre que um período é um conjunto de uma ou mais orações que fazem sentido. Veja um período onde a conjunção “e ” é aplicada:

  • Tereza viajou e Manoel ficou triste

“Tereza viajou” é uma oração. “Manoel ficou triste” é outra oração. A conjunção “e” faz a conexão entre elas duas.

😉

Interjeição

Classes de Palavras: interjeição

Chegamos à última classe de palavra: a Interjeição. Podemos definir a Interjeição como a expressão sucinta do pensamento e/ou emoção.

Existem 10 tipos de Interjeição:

  1. Dor (ai! ui!)
  2. Alegria (ah! eh!)
  3. Desejo (oxalá! tomara!)
  4. Admiração (puxa! quê!)
  5. Animação (eia! coragem!)
  6. Aplauso (bravo! apoiado!)
  7. Aversão (irra! chi!)
  8. Apelo (olá! psit! alô! socorro!)
  9. Silêncio (psiu! caluda!)
  10. Interrogação/Espanto (hem!)

Fácil, não é mesmo?

Uma recomendação final

Sempre que me refiro a conteúdos de Língua Portuguesa, insisto na tese da importância da leitura.

Como você pôde ver neste artigo, existem muitas regras detalhadas que, muitas vezes, será de difícil memorização. Através da leitura fica mais fácil assimilar o funcionamento da Língua mesmo sem conhecer em detalhes cada regra.

Nesse sentido, sempre indico aqui no blog o Projeto Releituras, que traz um acervo fantástico de crônicas e contos de autores celebrados, gratuitamente.

Se você ler um texto por dia já estará fazendo muito.

Dica bônus: a obra completa do fundador da Academia Brasileira de Letras, Machado de Assis.

Ler clássicos é uma das formas mais consistentes de tornar-se um verdadeiro mestre em Língua Portuguesa. Machado de Assis pode ser considerado como o maior clássico da Literatura Brasileira.

Materiais de Língua Portuguesa

O que aprendemos neste artigo

Hoje estudamos exaustivamente o Emprego das Classes de Palavras, um dos tópicos mais importantes do conteúdo programático de Língua Portuguesa para concurso.

Exploramos o emprego das Classes de Palavras a seguir, que são 10:

  1. Artigo
  2. Advérbio
  3. Adjetivo
  4. Conjunção
  5. Interjeição
  6. Numeral
  7. Pronome
  8. Preposição
  9. Substantivo
  10. Verbo

Vimos exemplos, dicas e macetes para melhorar seu desempenho em qualquer prova de Língua Portuguesa.

Agora preciso de você!

Escrever no Segredos de Concurso é um prazer muito grande. Desde 2014 me dedico todas as semanas para trazer o melhor conteúdo possível para a sua preparação.

O que mais me dá prazer é ler os comentários e depoimentos dos candidatos que confiam no conteúdo que produzo por aqui.

Por isso, peço que deixe um comentário dizendo o que achou desse artigo. Pra mim a sua participação é fundamental.

Caso tenha ficado alguma dúvida em algum dos tópicos, não deixe passar. Talvez essa seja a resposta da questão que lhe classificará em um concurso público.

Faço questão de ler cada comentário, e respondo na primeira oportunidade que surge.

Até a próxima!