Como acabar com o barulho do vizinho e outros ruídos que atrapalham seus estudos

Estudar sem barulho do vizinho

Você está naquele momento entusiasmante dos estudos, entendendo aquele assunto que há muito lhe incomodava, e de repente algo interrompe seu desempenho.

Não sei se já aconteceu com você, mas já tive muitos problemas com barulho durante os meus estudos, e já recebi mensagens de dezenas de concurseiros dizendo que não conseguiam se concentrar com a inconveniência dos vizinhos ou mesmo de familiares que não entendiam suas necessidades de silêncio.

O problema é tão sério que a Organização Mundial da Saúde classificou a Poluição Sonora em 3° lugar no ranking de problemas que mais comprometem a saúde da população.

Num país bastante musical, como o Brasil, não é difícil encontrar pessoas que adorem aumentar o volume do som exageradamente, esquecendo que alguém por perto pode estar querendo se concentrar nos estudos.

Nesse artigo trago todas as medidas necessárias para adotar caso você passe por esse tipo de problema (ou venha a passar). Nele vamos lhe ensinar o seguinte:

  • Os 4 mandamentos para lidar com pessoas barulhentas (vizinhos, familiares ou outras pessoas que morem com você).
  • Como isolar seu ambiente de estudo de barulhos externos.

No primeiro tópico você vai aprender algumas técnicas de mediação de conflitos e até alguns aspectos legais para se proteger dos inconvenientes da poluição sonora.

No segundo, lhe mostraremos como pode organizar seu quarto, sala ou outro ambiente de estudo de forma que o mínimo de barulho lhe incomode nos seus estudos para Concurso Público.

No final do artigo, deixe seu comentário relatando sua experiência com esse tipo de problema, e diga o que achou das dicas. Sua participação é fundamental!

Os 4 mandamentos para lidar com pessoas barulhentas (seu vizinho ou familiares)

Como lidar com pessoas barulhentas

#1. Se antecipe!

Muito cuidado com a atitude que você toma no momento em que o barulho acontece, e seu estudo for interrompido.

Neste momento você estará irritado, e seu vizinho (ou familiar) estará empolgado com o som alto, ou qualquer que seja a atividade barulhenta que ele esteja realizando. O ideal é que você possa se antecipar, e pedindo silêncio antes mesmo do barulho acontecer.

Evitando a irritação do momento, você estará apto a dizer expressões como “por favor”, “por gentileza” etc. Tanto a outra pessoa terá mais capacidade de lhe entender como você a ela, chegando então a um acordo.

#2. Faça comunicados!

Por mais gentil que você seja, sempre é melhor começar a se manifestar com comunicados em vez de presencialmente. As possibilidade para isso são várias: desde uma mensagem no facebook ou email até uma simples carta em baixo da porta do apartamento vizinho (que pode ser anônima).

Veja um exemplo de mensagem:

Oi, vizinho! Como vai? Entro em contato para pedir encarecidamente um pouco mais de compreensão em relação ao volume do seu aparelho de som. É que estou fazendo um plano de vida baseado em estudos para concurso, e não consigo me concentrar com ruídos muito altos.

Isso é muito importante para mim, tenho certeza que você compreenderá. Ontem à noite, por exemplo, me senti incomodado (a), mas respeitei seu entusiasmo e só resolvi me manifestar hoje, por meio dessa carta. Conto com sua compreensão.

Grande abraço!

Caso o comunicado não dê certo, uma conversa presencial, nos mesmos termos, pode ser a solução. Mas lembre-se: mantenha a paciência, ou perderá a razão.

#3. Negocie!

Conheci um concurseiro que sempre tinha problemas com seus familiares, pois enquanto ele queria estudar entre as 19h e as 22h algumas pessoas de sua casa faziam ciclo de oração com amigos de igreja.

Todos os dias ele tentava estudar mas nunca conseguia se concentrar, e geralmente discutia com os parentes por causa disso.

Às vezes quem está metido num conflito desses tem muita dificuldade de entender o óbvio: é preciso negociar para se alcançar um denominador comum, respeitando o momento de oração de uns e o momento de estudo do outro.

Hoje ele estuda entre as 20h e 23h, e as orações ocorrem um pouco mais cedo em sua casa. Cada parte admitiu modificar uma hora da sua rotina para garantir a convivência harmoniosa.

#4. Conte com intervenção externa!

Sim, é verdade. Existem pessoas inconvenientes, provocadoras e sem noção. Se o seu problema é a sua irmã de 8 anos, peça a sua mãe para impor limites nela. Caso seja um vizinho pentelho, comunique o síndico ou, no limite, chame a polícia.

Nesse caso (chamar a polícia) você precisa ficar sabendo das duas justificativas legais para isso.

A primeira é se basear na Lei de Contravenções Penais, que diz o seguinte:

Art. 42. Perturbar alguém o trabalho ou o sossego alheios:

I – com gritaria ou algazarra;

II – exercendo profissão incômoda ou ruidosa, em desacordo com as prescrições legais;

III – abusando de instrumentos sonoros ou sinais acústicos;

IV – provocando ou não procurando impedir barulho produzido por animal de que tem a guarda:

Pena – prisão simples, de quinze dias a três meses, ou multa.

Nesse caso, a polícia não precisará aferir os decibéis emitidos por quem faz o barulho. Basta ter uma vítima que se sinta perturbada, ou seja, você deverá se apresentar como o ofendido (por ter seu sossego perturbado).

Na segunda possibilidade, você não precisa aparecer. Basta a polícia identificar que está ocorrendo o crime de poluição, previsto na Lei de Crimes Ambientais:

Art. 54. Causar poluição de qualquer natureza em níveis tais que resultem ou possam resultar em danos à saúde humana, ou que provoquem a mortandade de animais ou a destruição significativa da flora:

Pena – reclusão, de um a quatro anos, e multa.

Geralmente os municípios regulamentam a quantidade de decibéis que podem ser emitidos sem ser considerado poluição sonora. Veja o exemplo de São Paulo:

Os limites de ruído são definidos pela Lei de Zoneamento. Nas zonas residenciais, é de 50 decibéis, entre 7 e 22 horas. Das 22 às 7 horas, cai para 45 decibéis. Nas zonas mistas, das 7 às 22 horas fica entre 55 e 65 decibéis (dependendo da região). Das 22 às 7 horas, varia entre 45 e 55 decibéis. Nas zonas industriais, entre 7 e 22 horas fica entre 65 e 70 decibéis; Das 22 às 7 horas, entre 55 e 60.

Verifique as normas que valem para a sua cidade ou condomínio antes de se arvorar a incluir agentes externos (a polícia ou o síndico) em problemas assim. E repetindo: mantenha sempre a calma.

Conheça segredos para turbinar seus estudos!

Insira o seu endereço de email abaixo para receber gratuitamente dicas surpreendentes sobre como estudar para Concurso!>

Como isolar seu ambiente de estudo de barulhos externos

Como ter um ambiente de estudos silencioso

Agora que você já sabe as técnicas mais recomendadas para lidar com pessoas barulhentas, é preciso saber como isolar ao máximo seu ambiente de estudo de barulhos externos. Obviamente, todas as dicas a seguir dependem da sua capacidade de modificação e adaptação do seu ambiente.

Amortecedores do som

O som funciona mais ou menos como uma bola de silicone (daquelas que compramos com uma moeda nos supermercados). Ao lançar uma bolinha daquela numa parede lisa de concreto ou num chão de piso de porcelana ela provavelmente irá quicar bastante.

Mas se você fizer o mesmo em um tapete de lã provavelmente a bola vai quicar bem mais baixo, ou simplesmente permanecerá no tapete. Acontece o mesmo com o som.

Quanto mais lisas e sem poros forem as superfícies do seu ambiente mais o som vai “quicar”, não vai ser absorvido, e ecoará lhe incomodando. Por isso, aqui vai a dica: use “amortecedores” como tapetes, papéis de parede, cortinas e outros materiais porosos.

(Não é por acaso que grandes auditórios são repletos de carpetes em praticamente todas as superfícies).

Janelas e Portas

As janelas e portas provavelmente são as principais entradas de som no seu ambiente de estudo. Por isso, é muito importante torná-los o mais isolantes possíveis.

Na verdade, existem no mercado portas e janelas com isolamento acústico, mas geralmente o custo é bastante alto em relação às de uso tradicional. Caso você não queira gastar muito, é possível adaptar o que você já possui em casa.

Vale atentar que, como regra geral, quanto maior a espessura dos vidros mais isolamento acústico ele garante ao ambiente.

Cortinas ou persianas ajudam bastante “filtrando” os ruídos que passam pelas janelas, mesmo quando elas estiverem fechadas. Outra dica é emborrachar as esquadrias (a moldura da porta ou janela) impedindo que o som passe de um ambiente para outro.

Apartamento

Caso você tenha problemas com ruídos no apartamento superior ao seu, sugiro que pense em instalar um forro (gesso, por exemplo) sob a laje superior. Para melhor desempenho do isolamento é bom deixar um espaço entre o forro e a laje, que será preenchido com material absorvente.

Naturalmente, vale a pena consultar um especialista para implementar esse tipo de medida.

Abafadores

Usar abafadores de som nos ouvidos é uma opção caso o problema do ruído durante os estudos não possa ser resolvido de outras formas. Essa é uma última opção porque a tendência é que os abafadores incomodem bastante com o tempo.

Há que utilize fones de ouvido desligados ou protetores auriculares (daqueles usados como equipamento de proteção individual em profissões que lidam com exposição ao barulho).

Avisos externos

Algo que sempre funciona comigo é pendurar na porta uma etiqueta de “não perturbe” quando estou estudando – igual àquelas usadas  em hotéis.

Essa tática funciona tanto no seu quarto quanto na porta de entrada do seu apartamento, para alertar vizinhos.

O que aprendemos neste artigo

Neste texto aprendemos a negociar com vizinhos e familiares a evitar a produção de barulhos que incomodem os seus estudos. Ensinei os 4 mandamentos para lidar com pessoas barulhentas.

Também mostrei mecanismos práticos de isolar seu ambiente de estudos de barulhos que possam incomodar, principalmente fazendo modificações em portas e janelas.

Tenho um convite para você!

O que achou deste artigo? Se identificou com algum ponto?

Preciso que você deixe um comentário falando sobre sua experiência em relação a esse assunto, que aflige muitos concurseiros.

Garanto que lerei com muita atenção a todos os comentários, e responderei assim que possível.

Até a próxima!

😉

  • Mô de Andrade

    Queria ter lido isso antes… moro numa vizinhança extremamente mal educada e sem noção… Vou comprar os abafadores e usar estes vizinhos como motivo pra estudar e sair dessa vizinhança.

    • Legal, Mô!

    • Merlin Coelho

      é isso que me faz estudar mesmo cansad pq os desgraçados com o funk do capeta não me deixam dormir de quinta a segunda

      • Espero que tenha ajudado, Merlin. Abraço!

        • Merlin Coelho

          🙂 sim é bom ver outros passando a mesma coisa. Ajuda a seguir em frente! Essa noite eu dormi não estou brava como quando comentei kkk

  • Somos fabricante de esquadrias acústicas e convencionais. .

    Estou à disposição

    Fone: (11)941964302///970207575

    tecnico em acustica.
    GILMAR NUNES

  • Rafael Ramos

    No meu caso moro em um conjunto habitacional.As casas sao pequenas e o resto é so terreno como quintal, corredor e terraço.Tem uma lado casa ao lado e outro lado tem um corredor e esse corredor faz ligacao com o terraço e quintal e nesta casa tem um cachorro muito barulhento e ele late justamente no corredor e minha casa é do lado do corredor dela.
    Imagina essa situaçao todos os dias quando chega e sai em casa o cachorro começa a latir, quando ela esta na porta conversando o cão lati direto e a sala da minha casa e o meu quarto é do lado do corredor da vizinha. Isso é muito chato cara essa situaçao todos os dias,eu nem falo mais com ela por causa disto.
    Pois é moro em uma casa que é cercada de vizinhos barulhentos de um lado cachorro e de outro som e na frente também.Ainda tem outras coisas também que acontece.

    • Que tal ir a uma biblioteca estudar, Rafael? É uma boa opção. Abraço!

      • Rafael Ramos

        Amigo vou gastar muito tempo e dinheiro indo em biblioteca!!!

  • Joyce Lane

    Nossa estou muito feliz com post!
    Meu caso, eu moro em condomínio fechado e as casas são coladas uma na outra(Já percebe o problema né)
    Quando fui morar nesse condomínio do lado a casa estava vazia..dei graças a Deus por isso, mas também desejei ter vizinhos maravilhosos, mais ai foi ao contrário!! São vizinhos PERTUBADORES!!
    Digo os filhos deles( 2 meninos idade 11 anos/ 8 anos) Crianças sem educação nenhuma, que eu saiba educação vem de casa, e isso eles não tem nenhum pouco.Para eles não tem hora para fazer barulhos estressantes..Uma vez acordei era 02:30 da Manhã porque eles estavam brincando dentro de casa socando a parede, parecia que a casa estava em obra, mas não era, era barulho dos vizinhos mesmo, fora os 3 CACHORROS que viviam com a boca aberta latindo o tempo todo a madrugada inteira, já cheguei a levantar para mandar o cachorro calar a boca, e os PALAVRÕES TERRÍVEIS (me sentia muito mal com isso)
    Aguentei por 2 semanas, ai resolvi falar com a Síndica do meu jardim e para minha surpresa não tinha só reclamação minha e também dos moradores ao redor, mas quem sofre mais sou eu por morar parede colada com as deles.
    Daí ele foi notificado 2 vezes e nada..ai pela 3 vez chegou a multa de um salário mínimo
    Mais ainda precisam melhorar muitooooooooooooooooo! Nem falo mais com eles ( tipo bom dia, boa tarde e boa noite, pra mim não rola) Hoje sinto nojo só de ouvir as vozes deles, sinto uma raiva imensa, esse tipo de pessoa precisa se comportar eu heim parecem homens da caverna!!
    Deixo aqui meu desabafo!!
    Grande abraço

    • Oi, Joyce… Compreendo sua situação. Só procure não carregar mágoas ou rancores. Isso não ajudará no seu processo de estudo. Abraço!

  • a melhor opçao para todos os males ..e janelas e portas acusticas..revestimento no teto e no chao..
    chega de barulho ,,,estou a disposiçao. https://uploads.disquscdn.com/images/557fd5168e82da42d7bee9f77e7976309f3780893b8c40054705eaf72640c392.jpg

  • Paulo Gonçalves

    O uso de abafadores de ruído, do tipo que é inserido no ouvido, pode gerar problema de zumbido (“tinnitus”) ou exacerbar o problema já existente no indivíduo de forma até então pouco perceptível. Recomendo ouvir – com ou sem fones de ouvido – um ruído branco (“white noise”). Basta procurar aplicativos específicos para smartphone (iOS ou Android), existem às dezenas. Também servem CDs de áudio com sons da natureza (cachoeira, chuva, etc).

    • Legal, Paulo. Dica preciosa! 😀

    • Gerson Ferreira

      Você tem toda razão. Depois de certo tempo usando os abafadores passei a ouvir um zumbido bem chato a noite. Já parei de usar e marquei uma consulta no otorrino.

      • Paulo Gonçalves

        Se possível, e se o otorrino julgar interessante, sugiro consultar também um fonoaudiólogo com especialização em zumbido. Aqui em Porto Alegre-RS, lá pelo ano de 2003, consultei com uma fonoaudióloga com treinamento em TRT (Tinnitus Retraining Therapy). Ela tinha também alguma formação em Psicologia. Após duas consultas já obtive melhora, pois compreendi o mecanismo que provoca o zumbido, o que diminuiu a minha ansiedade (meu zumbido é de cerca de 65 decibéis, em frequências de 9 a 11 mil Hertz, muuuito incômodo). Existe um modelo teórico que explica o zumbido, do Dr. Jastreboff, o que criou o TRT que citei acima. Creio que não são todos os otorrinos que conhecem o assunto. Infelizmente, perdi os dados de contato dessa fonoaudióloga. Outro dica, se, por acaso, o seu otorrino lhe indicar um anti-ansiolítico (como o meu) não caia nessa. São altamente viciantes e têm importantes efeitos adversos a médio e longo prazos (Rivotril, etc). Boa sorte!